Um momento, e nada mais!


São vinte e três horas. Abro a janela e, de todas as estrelas que a convenção divina convidaria aos céus, encontro justamente aquela que não deveria estar ali.

Espero a luz amena de um céu de estrelas e o abraço suave e doce da brisa noturna, acompanhado do olhar de uma lua tímida;

Encontro a luz de um sol irrequieto e o sorriso – efeito da minha surpresa! – traduzido em calor.

Nenhum relógio do mundo saberia precisar o tempo que fiquei ali, naquela janela sem motivos ou pretensões, entregue a um acaso irracional.

Pelo que me pareceram dias fitei-o incrédulo com o medo sutil do ignorante.

Mas soube aguardar. Esperei até que a minha pele queimasse por completo. Esperei até que minha carne se desmanchasse, pois eu queria entender. E o que antes era medo, transformou-se em um querer-sentir, em um viver jamais vivido; transformou-se no grito que nunca foi gritado, na dor que nunca foi sentida no horror indizível e no prazer jamais proporcionado.

O nada metamorfoseou-se em tudo.
E tudo que entendi é que nada deve ser entendido.

Assim, quando não existiam mais olhos para olhar, pude enxergar o brilho da lua que ali me acolhia.

No céu, dentre tantas estrelas, somente uma lua.
Olho para meus braços, para meu corpo;
olho para o relógio:
São vinte e três horas

Estando ambos aliviados – lua e eu – fecho a janela e deito-me a sonhar todos os sonhos do mundo.

Anúncios

Um comentário sobre “Um momento, e nada mais!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s